Condecorações da Força Expedicionária Brasileira

Cruz de Combate de Primeira Classe
Destinada aos militares que se distinguiram por atos de excepcional bravura individual ou revelaram espírito de sacrifício no desempenho de missões de combate.
1ª Classe: Ouro. Concedida aos militares que praticaram atos de bravura; ou revelaram espírito de sacrifício no desempenho de missões em combate; e, às Unidades que se destacarem na luta.

Cruz de Combate de Segunda Classe
Concedida aos participantes de feitos excepcionais, praticados em conjunto por vários militares.
2ª Classe: Prata. Conferida aos participantes de feitos excepcionais, praticados em conjunto por vários militares. Características: Anverso: cruz de malta maçanetada, com resplendor canelado, formando um quadrado; no centro um disco com uma coroa de louro circundando o Cruzeiro do Sul. Prendendo a cruz um emblema composto de uma âncora, um canhão, quatro bandeiras e quatro fuzis tendo sobre o centro um globo geográfico com a sigla FEB. Reverso: gravada a data do evento que deu margem à concessão da condecoração. A fita é de seda chamalotada, com 30 mm de largura por 40mm de altura, de cor vermelha, com bordadura verde nos lados. Barreta: com uma pequena cruz de malta. De ouro ou prata. Miniatura de barreta: peça de metal dourado representando a barreta comum reduzida, colorida a esmalte. Para uso do lado esquerdo do peito. A de 1ª classe é de prata dourada e de 2ª classe de prata.

Medalha de Sangue do Brasil
Destinada a agraciar os oficiais, praças e assemelhados e civis, que tenham sido feridos em consequência de ação objetiva do inimigo.
Criada por Dec-Lei 7709, de 5 jul 1945. Destinou-se a agraciar os oficiais, praças, assemelhados e civis, destacados para o teatro de operações, e que aí hajam sido feridos em conseqüência de ação objetiva do inimigo. A medalha é de bronze.
Características: Anverso: Sabre das Armas da República. Três estrelas vermelhas representando os três ferimentos recebidos pelo General Sampaio, no dia 24 mai 1866, na Batalha de Tuiuti – Guerra do Paraguai. Dois ramos de “Pau Brasil”, orlando a medalha, lembram a Pátria e as origens de seu nome glorioso. Uma faixa arqueada está inscrita – Sangue do Brasil. Reverso: esfera da Bandeira Nacional envolvida pelos dois ramos de “Pau Brasil”.
A fita é de cor vermelha com um friso central, dividido em três partes iguais: amarelo, verde, amarelo (cores nacionais). Miniatura de barreta: peça de metal dourado, representando a barreta comum reduzida, colorida a esmalte. Para uso no lado esquerdo do peito.

Medalha de Campanha
Conferida aos militares da ativa e da reserva do Exército brasileiro e de Nações amigas, e assemelhados, que participaram de operações de guerra, na Itália, sem nota desabonada.
Medalha de Campanha. Conferida aos militares da ativa e da reserva do Exército e assemelhados, que participaram de operações de guerra, sem nota desabonadora. Também foi conferida a militares dos exércitos das nações amigas e aliadas que tenham tomado parte da campanha, incorporados às nossas forças.
Características: Cruz de malta de bronze, tendo no centro a legenda FEB, contornada por uma coroa de louros, símbolo da glória militar. Sobre os três ramos da cruz, a data 16-VII-1944 – que é o desembarque, na Europa, da Força Expedicionária Brasileira (FEB).
A fita é de seda chamalotada, nas cores verde e vermelho, verticalmente dispostas em três partes iguais, sendo a do centro vermelha. Passador de bronze vazio, com a palavra FEB. Para uso no lado esquerdo do peito.

Medalha de Guerra
Conferida a oficiais do Exército e civis que prestaram serviço relevante aos esforços de guerra, preparo da tropa ou desempenho de missões especiais, dentro e fora do Brasil.
Destinou-se a oficiais ativos e inativos do Exército e civis que prestaram serviço relevante aos esforço de guerra, preparo da tropa ou desempenho de missões especiais dentro e fora do Brasil. É de prata dourada, forma de uma cruz do Tempo. Anverso um dístico central onde se encontra o Cruzeiro do Sul. A cruz é sobreposta e uma coroa de louro e carvalho (símbolos do valor militar e cívico). No reverso, em relevo, a legenda Medalha de Guerra e a data 22-VII-1942 de Declaração de Guerra do Brasil no Eixo. É para ser usada do lado esquerdo do peito. A fita de seda chamolotada, amarela com bordadura verde. Barreta ,peça de metal dourado, representando a barreta comum reduzida, colorida e esmalte.

Condecorações da Marinha do Brasil

Cruz Naval
Criada por Dec 6774, 7 ago 1944 e regulamentada por Dec nº 16.368 de 16 ago 1944, destinou-se a ser conferida aos militares da Marinha de Guerra Nacional, da ativa, da reserva ou reformados que, no exercício de sua profissão, tenham demonstrado bravura ou praticado ação além do dever. Características: de bronze, com quatro hastes iguais, ligeiramente curvas, convexas, tendo ao centro um disco em que se nota: Anverso: dentro de uma zona circular a legenda, ao alto – Marinha – e no exergo – do Brasil – estas duas palavras separadas, por pequeno ponto e as duas expressões, entre si, por duas pequenas voltas de fiador singelo. Reverso: zona circular, em que se inscrevem, ligeiramente em relevo e entre dois frisos, as vinte e uma estrelas da flâmula tradicional dos navios de guerra e ao centro de outro friso, em baixo relevo, uma divisão de três contratorpedeiros navegando a ¾ de frente. Ao alto da haste superior, garra e argola para passagem da respectiva fita que é de seda chamalotada, em vermelho puro, com uma faixa central em amarelo-ouro, tendo, junto às orlas, da mesma cor vermelho puro de fita, um friso branco. Uso ao lado esquerdo do peito.

Medalhas de Serviços Relevantes.
Criada por Dec 6774, de 7 ago 1944. Destinou-se a ser conferida aos militares das Marinhas de Guerra Nacional e Aliadas, da ativa, da reserva ou reformados, que tenham prestado relevantes serviços ao Brasil, ou tido conduta excepcional em operações de guerra e aos que tiveram feito 300 ou mais dias de mar em campanha. Características: de prata, circular, com 34mm de diâmetro.
Anverso: uma âncora clássica ao centro, tendo na curva superior a inscrição – Serviços relevantes – e no exergo – Marinha do Brasil – separadas por duas pequenas estrelas e as palavras, entre si, por pontos. Reverso: orla lisa, tendo na parte central, em baixo relevo, uma divisão de três contratorpedeiros navegando a ¾ de frente. Ao alto: garra e argola para a passagem da respectiva fita que é de seda chamalotada em amarelo-ouro, tendo ao centro um vivo azul-marinho frisado de branco e junto às orlas as cores nacionais em três frisos amarelo e verde de 1mm de largo cada um. Para ser usada do lado esquerdo do peito.

Medalha de Serviços de Guerra.
Criada por Dec-Lei 6095, de 13 dez 1943; 6774, de 7 ago 1944 e 1638, de 16 ago 1944. Destinou-se a ser conferida aos militares das Marinhas de Guerra Nacional e Aliadas, da ativa, da reserva ou reformados, e aos oficiais tripulantes dos navios mercantes nacionais e aliados, que tenham prestado valiosos serviços de guerra, que a bordo dos navios, quer em comissões em terra. Características: de bronze, circular. Anverso: uma âncora clássica ao centro, tendo na curva superior a inscrição – Serviços de Guerra e no exergo – Marinha do Brasil – separadas por duas pequenas estrelas e as palavras, entre si, por pontos. Reverso: orla lisa, tendo na parte central, em baixo relevo, uma divisão de três contratorpedeiros navegando a ¾ de frente. Ao alto: garra e argola, para a passagem da respectiva fita que é de seda chamalotada, de azul-marinho com uma faixa central em cinza azul-pérola de 8mm de largura assim como os dois frisos laterais junto às orlas (da mesma cor da fita), de 1mm de largura, tendo sobreposta à fita na altura da barreta, na fita da medalha ou sobre a barreta, estrela de prata, com 5 pontas, convexa, em número de “1” a “3”. Para uso do lado esquerdo do peito.

Medalha da Força Naval do Nordeste (FNN).
Criada pelo Decreto 35587, de 2 Jun 1954. Destinou-se a rememorar os serviços que a FNN prestou ao Brasil durante a 2ª Guerra Mundial e a ser concedida aos oficiais e praças que nela efetivamente serviram nos seus Estado-Maior e Menor de seu Comando ou tripulando os navios que a constituíram:
Aos oficiais que comandaram a FNN, durante a 2ª Guerra Mundial foram conferidas medalhas de ouro.
Aos oficiais do EM da FNN e aos Comandantes dos navios que as constituíram foram conferidas medalhas de prata;
Aos oficiais e praças que, designados para servir na FNN, efetivamente prestaram serviços de guerra embarcados em seus navios, como membros de suas tripulações, quer servindo nos Estado-Maior e Menor do seu Comando foram conferidas medalhas de bronze.
Características: Esta medalha, que repousa sobre uma âncora com a respectiva boça. Ostenta no anverso a figura quimérica do leão marinho em atitude agressiva, simbolizando os mares onde a Força Naval do Nordeste lutou para assegurar a integridade e a honra da Pátria. No reverso, a legenda “Força Naval do Nordeste 1942-1945”.
Por meio de um passador adornado com dois golfinhos estilizados, a medalha pende uma fita branca de 37mm de largura com duas listras verdes de 7mm cada uma.
A medalha de ouro é usada pendendo de um colar de fita preso ao pescoço. As de prata e bronze presas ao peito do lado esquerdo. As barretas possuem palma de ouro, de prata ou sem palma conforme o grau.

Medalha da Força Naval do Sul (FNS).
Criada por Dec 35586, de 2 jun 1954. Destinou-se a rememorar os serviços que aquela Força Naval e o Grupo de Patrulha do Sul prestaram ao Brasil durante a 2ª Guerra Mundial e a ser concedida aos oficiais e praças que nela efetivamente serviram, nos Estado-Maior e Menor do seu Comando ou tripulando os navios que a constituíram.
Aos oficiais que comandaram a FNS e o GPS, durante a 2ª Guerra Mundial foram conferidas medalhas de ouro;
Aos chefes de EM da FNS e do GPS e aos comandantes dos navios que os constituíram foram conferidas medalhas de prata;
Aos oficiais e praças que, designados para servir na FNS ou no GPS, efetivamente prestaram serviços de guerra embarcados m seus navios como membros de suas tripulações, quer servindo nos Estado-Maior ou Menor de seu Comando, foram conferidas medalhas de bronze. Características: Esta medalha, que repousa sobre uma âncora, com a respectiva boça, ostenta no anverso a figura quimérica do leão marinho em atitude agressiva, simbolizando os mares onde a Força Naval do Sul lutou para assegurar a integridade e a honra da Pátria. No reverso, a legenda “Força Naval do Sul 1942-1945”.
Por meio de um passador adornando com dois golfinhos estilizados, a medalha pende de uma fita de 37mm de largura formada por três listras iguais, sendo branca a do centro e azuis a dos extremos.
Na lista branca, há duas verdes de 2mm de largura, igualmente afastadas das bordas. As medalhas (ouro, prata e bronze) serão presas ao peito, do lado esquerdo, e possuem barretas com palma de ouro, prata ou sem palma, conforme o grau.
Na Força Aérea foram criadas as seguintes medalhas pelo Dec 7554 de 10 abr 1945.

Condecorações da Força Aérea Brasileira

Cruz de Bravura.
Regulamentada pelo Dec 18847, de 11 jun 1946, revogado pelo Dec 20497, de 24 jan 1947 e alterado pelo Dec 23163, de 6 jun 1947.
Conferida aos militares da ativa e da reserva da Aeronáutica que, em campanha, se tenham distinguido por ato de excepcional bravura.
Características: bronze oxidado. Anverso: cruz dos templários estilizada, com 40mm de diâmetro, 4 ramos de 13mm cada um, com 14mm nas extremidades e 7mm nas partes mais estreitas, contornados por filetes de 1mm de largura, sobreposta a uma coroa de louros de 3mm de largura, lavrada em relevo, que aparece entre os ramos; a cruz carregada a um disco filetado de 16mm de diâmetro, contornado por filete de 1 mm; ao centro o emblema da FAB, em relevo, com a envergadura das asas de 21mm e sabre de 16mm de altura. Reverso: círculo correspondente ao disco do anverso, tendo na cruz superior a inscrição em relevo “Bravura” e no exergo FAB em letras maiúsculas, isoladas por ornatos de separação. A cruz fica ligada à barreta de feitio de asas estilizadas, por meio de argola e contra-argola. A fita é chamalotada, faixa central azul-rei, junto às orlas frisos verticalmente dispostos, azul-rei, branco, vermelhão francês e branco. Para uso no lado esquerdo do peito. Só concedida a cinco aviadores brasileiros que na Campanha da Itália morreram atacando objetivos militares.

Cruz de Sangue.
Destinou-se a ser concedida aos militares da FAB e aos civis brasileiros que nela sirvam e sejam feridos em ação contra o inimigo. Características: de bronze oxidado. Anverso: cruz florestada, 4 ramos iguais ligados a um disco filetado, contornando por filete. Ao centro em relevo, o emblema da FAB. Reverso: círculo correspondente ao disco do anverso tendo as inscrições em relevo, na curva superior “Cruz de Sangue” e no exergo “FAB”, em letras maiúsculas, isoladas por ornamento de separação.
A fira é chamalotada, faixa central vermelhão francês, junto as orlas frisos verticalmente dispostos, vermelhão francês, branco, azul-rei e branco. Para uso no lado esquerdo do peito.
Ela foi concedida a 13 aviadores brasileiros feridos em combate.

Cruz de Aviação.
Destinou-se a ser conferida a tripulantes de aeronaves, militares da ativa ou da reserva convocadas, que tenham desempenhado com eficiência, missões de guerra. Características: de bronze oxidado. Anverso: cruz pátea estilizada, 4 ramos iguais, ligados a um disco filetado, contornado por filete, tendo ao centro, em relevo, o emblema da FAB. Reverso: círculo correspondente ao disco do anverso tendo as inscrições em relevo, na curva superior “Cruz de Aviação” e no exergo FAB, em letras maiúsculas, isoladas por ornatos de separação.
Fita A: junto às orlas, frisos verticalmente dispostos, azul-rei, branco e azul-rei.
Fita B: chamalotada, com faixas verticais, vermelho, amarelo-ouro e vermelho. Ao centro das faixas verticais vermelhas, um friso verde e amarelo. As fitas A e B são usadas conforme o seu detentor tenha desempenhado missões na Itália ou no litoral brasileiro.
Sempre que o detentor complete 20 missões, tem direito uma estrela de bronze a ser colocada em fita ou passador; cada grupo de 5 estrelas será substituído por uma palma de bronze, a ser usadas nas condições acima referidas. Para uso no lado esquerdo do peito.

Medalha de Campanha da Itália.
Destina-se aos militares da ativa e da reserva que, havendo participado da Campanha na Itália, tenham prestado bons serviços, sem nota que os desabone. Esta medalha também foi conferida a Unidades Aéreas que se fizeram merecedoras dessas distinção, pelo brilho de seus feitos na Campanha da Itália. Características: de bronze oxidado. Anverso: disco filetado circundado por uma coroa de louros entremeado de fita; ao centro do disco, o emblema da FAB em relevo. Reverso: ao centro, em relevo, dizeres horizontalmente dispostos – Campanha na Itália-FAB – em letras maiúsculas.
A fita é chamalotada azul-rei, tendo ao centro frisos verticalmente dispostos, nas cores verde, branca e vermelhão francês. Para uso no lado esquerdo do peito.

Medalhas Cruz de Serviços Relevantes.
Esta é uma medalha criada mais que nunca foi conferida como a dos mais Bravos da Guerra do Paraguai. Sofreu alterações pelo Dec Lei 8901 de 24 jan 1946. Destinava-se aos oficiais da ativa, da reserva e reformados e civis que tinham prestado serviços relevantes de qualquer natureza, referentes ao esforço de guerra, preparo e desempenho de missões especiais, confiados pelo Governo dentro ou fora do país. Características: de bronze oxidado. Cruz de Malta estilizada, 4 ramos contornados por filetes, sobreposta a uma coroa de louros, lavrada em relevo, que aparece entre os ramos; carregada a um disco filetado, contornado por filete, ao centro, o emblema da FAB, em relevo. Reverso: círculo correspondente ao disco do anverso, tendo na curva superior a inscrição em relevo FAB, em letras maiúsculas, isoladas por ornatos de separação. A cruz fica ligada à barreta, de feitio de asas estilizadas, por meio de argola e contra-argola. A fita é chamalotada azul-rei, tendo no centro frisos verticalmente dispostos , branco, vermelhão francês e branco, junto às orlas, frisos brancos, verticalmente dispostos. Para ser usada no lado esquerdo do peito.

Medalha Campanha do Atlântico Sul.
Criada por Lei 497, de 28 nov 1948. Regulamentada pelo Dec 26550, de 4 abr 1949. Destinou-se a ser conferida aos militares da ativa, da reserva, reformado e civis que se tenham distinguido na prestação de serviços relacionados com a ação da FAB no Atlântico Sul, no preparo e desempenho de missões especiais, confiadas pelo Governo, no período de 1942 a 1945. Características: de bronze oxidado. Anverso: em forma circular, sendo o disco interno circundado por um filete; no disco observa-se, em alto relevo, um avião sobrevoando um navio de guerra. Observa-se ainda a inscrição em relevo, na curva superior: “Campanha do Atlântico”, em letras maiúsculas tendo, no centro da curva inferior, uma estrela de cinco pontas. Reverso: círculo correspondente ao diâmetro do anverso e um disco interno tendo as inscrições em relevo, na curva superior: “FAB” e na inferior “1942 e 1945”, em letras maiúsculas separadas por uma estrela de cinco pontas. No centro do disco observa-se o emblema da FAB em relevo. A medalha fica ligada à barreta, de feitio de asas estilizadas, em bronze oxidado, por meio de argola e contra-argola.
Fita: chamalotada azul-rei, com cinco filetes de cor amarelo-ouro, verticalmente dispostos sendo um ao centro e os demais afastados de 4mm entre si. Para uso no lado esquerdo do peito.

Fontes:
Museu da Vitória
Almanaque Segunda Guerra Mundial (Luiz Fagundes)
Almanaque Militar
Academia de História Militar Terrestre do Brasil